galeria

RETRATOS ORGÂNICOS DE NICK LEPARD

This Is Nowhere

http://www.nicklepard.com/
........................
........................
........................

O HIPER-REALISMO DE HUBERT DE LARTIGUE

…………………………

 http://www.hubertdelartigue.com/videos.html

…………………………


...........................

Gémeo Luís

Gémeo Luís não desenha com lápis nem com pincel, mas com x-acto: as suas ilustrações são recortes em papel de cor, emaranhadas por linhas detalhadas. Os originais são muito delicados, não têm qualquer suporte, não têm fundo.

Além de ilustrador Gémeo Luís é editor e publica-se a si próprio. Descobre mais sobre Gémeo Luís e a sua obra em www.gemeoluis.com.

O Quê Que Quem

O Quê Que Quem, com texto de Eugénio Roda, foi distinguido com o Prémio Nacional de Ilustração'05

Outros ilustradores portugueses de referência são, por exemplo, Stuart de Carvalhais (Vila Real,1887-1961), Maria Keil (Lisboa, 1914), João Abel Manta (Lisboa, 1928), Manuela Bacelar (Coimbra,1943), António Antunes (Lisboa, 1953), Teresa Lima (Lisboa, 1962), António Jorge Gonçalves (Lisboa, 1964), Cristina Valadas (Porto, 1965), Joana Quental (Porto, 1969), Marta Torrão (Lisboa,1974) e André de Letria (Lisboa, 1973).


........................

Henry Moore

Henry Moore. (1898-1986). Inglaterra. Escultor
 

Henry Moore’s Sheep Sketchbook, Thames&Hudson, Londres, 1980 (excerto)
“Lembro-me, desde sempre, que desenhar era a actividade que mais prazer me dava. Lembro-me que na escola elementar, a lição de desenho costumava ser à sexta-feira à tarde, na última meia hora, quando o professor estava já cansado e satisfeito por ir de fim-de-semana. Eu adorava, não por ser o fim da semana, mas porque era a aula de desenho. Mais tarde, quando soube que queria ser escultor, reparei que todos os escultores que admirava eram grandes desenhadores: Miguel Angelo, Bernini, Rodin. O desenho ele mesmo é uma parte da aprendizagem: aprender a usar os olhos para ver mais intensamente. Quando se encoraja as pessoas a desenhar não é para as tornar artistas, tal como não se ensina gramática para os transformar a todos em Shakespeares.”


.........................

Álvaro Siza Vieira


Álvaro Siza Vieira. Portugal.
Artigo “Desenhos de Viagem” de Álvaro Siza no livro “Álvaro Siza. Esquissos do Douro”1999. ICEP, Figueirinhas. Lisboa

“Nenhum desenho me dá tanto prazer como estes: desenhos de viagem. (…) Haverá melhor do que sentar numa esplanada, em Roma, ao fim da tarde, experimentando o anonimato e uma bebida de cor esquisita – monumentos e monumentos por ver e a preguiça avançando docemente?

De súbito o lápis ou a bic começam a fixar imagens, rostos em primeiro plano, perfis esbatidos ou luminosos pormenores, as mãos que os desenham.
Riscos primeiro tímidos, presos, pouco precisos, logo obstinadamente analíticos, por instantes vertiginosamente definitivos, libertos até à embriaguez; depois fatigados e gradualmente irrelevantes.
Num intervalo de verdadeira Viagem aos olhos, e por eles a mente, ganham insuspeita capacidade.
Apreendemos desmedidamente; o que aprendemos reaparece, dissolvido nos riscos que depois traçamos.”

.........................

Henri Matisse

“Matisse. Le Voyage en Polynésie” (excerto) de Paule Laudon. 1999.
Société Nouvelle Adam Bido. Paris

“Matisse, “para quem desenhar é tornar uma ideia mais precisa”, enche em Papeete álbuns de desenhos, para assim forjar a renovação, que é o objectivo da sua viagem. Ao contrário da ideia, que ele próprio criou, trabalha todos os dias, aqui no seu quarto, nas horas quentes, ou nos jardins da cidade, antes das suas voltas à ilha. O seu caderno de esboços não o deixa. Com a finura do seu olhar, a mestria da sua arte onde o traço linear contínuo adquire cada vez mais importância, desenha em todo o lado, frequentemente durante várias horas. Mas muito menos do que o habitual.

Por causa do calor sufocante, fatigante e, sobretudo, da humidade do ar, que suporta mal, é menos activo do que na metrópole. O que dá a impressão de não fazer nada, de perder o seu tempo, para alguém cujo “trabalho é complemento indispensável da vida”.

Desenha o quarto, os móveis, a cómoda e, no seu espelho, o seu autorretrato, para o qual põe o seu chapéu colonial. Num outro dia, olhando-se ao espelho, ele fez um esboço, sempre para Amélie, onde ele se encontra sentado de torso nu, um “pareo” à volta dos rins, escrevendo sobre os joelhos, no cadeirão de baloiço.”

Henri Matisse, auto-retrato, 1906

.........................

Pablo Picasso

«Enigmas para a posteridade» de Françoise Gillot no livro
Je Suis Le Cahier. Os Cadernos de Picasso. 1986. Editora Record. Rio de
Janeiro
“Muitas vezes os pintores precisam registar um pensamento fugaz, uma observação, uma nova organização de formas e cores. Um caderno de desenho é um companheiro, um espelho de sonhos, totalmente sincero, já que é totalmente particular e pessoal. Dos rabiscos e anotações rápidas ou elaboradas, ele é testemunho dos processos iniciais da criação. Os pintores quase sempre relutam em mostrar essas anotações espontâneas, muito embora possam gostar de discutir uma obra com a caneta na mão numa mesa de bar e demonstrar seus argumentos no próprio papel estendido para proteger a toalha.
Claro que há uma diferença, pois no caderno o artista tenta registar uma nova concepção que surge do limbo do inconsciente, enquanto no bar ele exibe publicamente sua competência, espírito e virtuosismo bem ensaiado.
Pablo Picasso não foi uma excepção: se gostava de mostrar aos amigos suas últimas obras ou improvisar num café, permanecia reticente em relação a seus cadernos de desenho; por isso, fiquei bastante impressionada quando, ao final de 1945, ele começou a me mostrar alguns dos aspectos mais íntimos de sua obra. Na ocasião, vi desenhos a tinta nanquim do período azul dentro de um exemplar lido e relido de Noa-Noa de Gauguin, assim como os estudos a lápis que levaram a Les Demoiselles d’Avignon, que eram guardados num cofre no banco.”

fotografia de picasso junto ao quadro Guernica tirada pelo fotografo David Seymour

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: